Ultimas Noticias

Câmara aprova em 1º turno nova proposta para reduzir maioridade
02/07/2015

Após polêmica sobre a validade da votação e com as galerias do plenário vazias, a Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta quinta-feira (2) proposta de emenda à Constituição (PEC) que reduz de 18 para 16 anos a maioridade penal para crimes hediondos, homicídio doloso, e lesão corporal seguida de morte. O texto ainda precisa ser votado em segundo turno antes de seguir para o Senado.

 

A aprovação se deu com 323 votos favoráveis, 155 contrários e 2 abstenções. Eram necessários ao menos 308 votos a favor para a matéria seguir tramitando. De acordo com o presidente da Câmara,Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a votação em segundo turno deverá ocorrer após o recesso parlamentar de julho, já que é preciso cumprir prazo de cinco sessões antes da próxima votação.

Pelo texto, os jovens de 16 e 17 anos terão que cumprir a pena em estabelecimento penal separado dos menores de 16 e maiores de 18. Ao final da votação, deputados seguraram cartazes na tribuna em defesa da proposta e comemoraram com gritos em plenário (veja vídeo acima).

A aprovação da proposta ocorre depois de aCasa derrubar, na madrugada de quarta-feira, texto semelhante, que estabelecia a redução casos de crimes cometidos com violência ou grave ameaça, crimes hediondos (como estupro), homicídio doloso, lesão corporal grave ou lesão corporal seguida de morte, tráfico de drogas e roubo qualificado.

Após a rejeição na noite anterior, Cunha afirmou que a Casa ainda teria que votar o texto principal, mas ressaltou que isso só ocorreria após o recesso parlamentar de julho. No entanto, após reunião com parlamentares favoráveis à redução da maioridade penal, ele decidiu retomar a análise do tema nesta quarta (1º) para apreciar um texto parecido com a proposta rejeitada.

Jovens da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da União Nacional dos Estudantes Secundaristas (UNBES) não esperavam a retomada da votação e, por isso, não conseguiram fazer protestos como os mobilizados na noite anterior.

Cunha também não permitiu a entrada dos poucos estudantes que foram à Câmara para defender a derrubada da proposta, alegando que os manifestantes fizeram tumulto na noite anterior. A decisão do presidente da Câmara de votar um texto semelhante ao derrotado de madrugada também gerou bate-boca e questionamentos por parte de deputados contrários ao texto, mas o peemedebista conseguiu prosseguir com a votação.

Durante a sessão, deputados do PT, do PSOL e do PCdoB defenderam a derrubada da PEC. O governo defende alterar o Estatuto da Criança e do Adolescente e ampliar o tempo máximo de internação de 3 para 8 anos.

“Todos nós queremos resolver a questão da violência, da criminalidade, queremos evitar que crimes bárbaros terminem. Mas precisamos, de forma madura e responsável, encontrar qual a alternativa real para resolver o problema. E a alternativa real é alterarmos o Estatuto da Criança e do Adolescente. Os efeitos colaterais dessa redução da maioridade penal são maiores que os alegados benefícios”, disse o deputado Henrique Fontana (PT-RS).

 

O líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), também discursou contra a proposta. “Não queremos jovem infrator na rua, mas queremos lugares decentes para que eles sejam punidos. Mas não dá para misturar os jovens com bandidos de alta periculosidade. O que está em jogo é o futuro dessas gerações. É um retrocesso se aprovarmos essas emendas”, afirmou.

Já parlamentares favoráveis à redução da maioridade penal argumentaram que a PEC não soluciona o problema da violência, mas reduz o sentimento de “impunidade”. "Nós sabemos que a redução da maioridade penal não é a solução, mas ela vai pelo menos impor limites. Não podemos permitir que pessoas de bem, que pagam impostos, sejam vítimas desses marginais disfarçados de menores", discursou o líder do PSC, André Moura (SE).

 

O líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), um dos articuladores da votação nesta quarta, também defendeu a redução da maioridade penal. "O PMDB afrma a sua posição de maioria pela redução da maioridade penal, nos crimes especificados. Achamos que a proposta é equilibrada, ela é restrita", disse. “A sociedade não aceita mais a impunidade e não deseja mais sentir o medo, o pavor e o receio que vem sentido no dia a dia.”

Emenda apresentada na quarta
A proposta derrubada nesta quarta é produto de uma emenda aglutinativa – texto produzido a partir de trechos de propostas de emenda à Constituição apensadas ao texto que está na pauta do plenário.

Essa emenda foi elaborada pela manhã por deputados do PSDB, PHS, PSD e PSC, e protocolada na Secretaria-Geral da Mesa. No plenário, deputados do PT, do PDT e do PCdoB alegaram que a elaboração de uma proposta com teor muito semelhante ao texto derrubado contraria o regimento. Argumentaram ainda que, para ser votada, a emenda teria que ter sido elaborada e apensada antes da votação ocorrida durante a madrugada.

 

Cunha rebateu os argumentos citando o artigo 191, inciso V, do regimento interno da Câmara. Conforme esse trecho, na hipótese de rejeição do substitutivo (texto apresentado pelo relator da proposta, como é o caso), “a proposição inicial será votada por último, depois das emendas que lhe tenham sido apresentadas”.

Segundo o peemedebista, como o texto original ainda não havia sido votado, é permitida a apresentação de novas emendas aglutinativas com base nas propostas apensadas a essa redação.

Os parlamentares continuaram a protestar e Cunha chegou a bater boca com eles. “Quando o senhor é chamado de autoritário, o senhor se chateia”, protestou o deputado Glauber Braga (PSB-RJ). Cunha rebateu: “Ninguém vai vencer aqui no berro”.

“Não imagine que o senhor vai nos escravizar, porque não vai. Não imagine que todos os parlamentares vão abaixar a cabeça”, emendou Braga. O deputado Weverton Rocha (PDT-MA) acusou Cunha de “aplicar um golpe”. A deputada Erika Kokay (PT-DF) chamou o presidente da Câmara de Luiz XIV, em referência ao rei francês absolutista, e disse que ele tentava sobrepor a sua vontade a dos parlamentares.

José Guimarães (PT-CE), fez um apelo para que a votação fosse suspensa e a Câmara discutisse como alternativa um projeto de lei que tramita no Senado ampliando de 3 para 10 anos o período máximo de internação de jovens infratores.

Segundo ele, “uma discussão tão importante como essa” não poderia ser tratada “com tamanho radicalismo”. Guimarães argumentou ainda que a aprovação da emenda poderia trazer “sequelas”.

“Reverter [a posição] de ontem para hoje é o melhor caminho? Claro que não, porque pode deixar sequelas”, disse sobre o impacto da redução. No entanto, Cunha não cedeu e continuou a sessão. Os parlamentares contrários à redução da maioridade decidiram, então, obstruir a sessão, utilizando-se de manobras previstas no regimento para postergar ao máximo a votação.

www.g1.com.br

 

Acompanhe abaixo as noticias anteriores

 
Leilão de aeroportos vai custar R$ 3 bilhões extras ao governo, alerta presidente da Infraero
Justiça determina bloqueio de até R$ 26 milhões de ex-governadores e ex-vice do DF
82% dos jovens contribuem para o \'sustento da casa\', diz SPC Brasil
Temer diz que União vai exigir contrapartidas para socorrer estados
Número de famílias na miséria volta a crescer em 2015
Estradas de SP terão pedágios mais em conta fora dos horários de pico
PF prende policiais legislativos suspeitos de atrapalhar investigações
Petrobras reduz plano de investimento para US$ 74,1 bilhões em 5 anos
Criança morre ao tentar capturar pokémons no litoral do RS, diz amigo
Rodrigo Maia defende liberação de cassinos e bingos no RJ e em SP
Baixa rentabilidade e crise fazem brasileiros 'fugirem' da poupança
Estudo sobre zika pode levar Brasil a mudar protocolo de microcefalia
Edson Celulari é diagnosticado com câncer
Conselho marca para terça sessão que deve votar parecer sobre Cunha
Juro do cheque especial sobe para 308% ao ano em abril, novo recorde
Arrecadação recua 7,1%, para R$ 110 bilhões, e tem pior abril em 6 anos
Governo encaminha ao Congresso projeto de lei que corrige tabela do IR
Desemprego fica em 10,9% no 1º trimestre de 2016, diz IBGE
Temer diz que vai aguardar decisão do Senado em silêncio
Contas de luz no interior de SP, no MS e no MT terão alta de mais de 7%
Governo encara próximos 15 dias como decisivos ao impeachment
Lula vai para Casa Civil e Jaques Wagner para a chefia de gabinete
PF encontra cofre da família de Lula
Desemprego sobe e atinge maior taxa para janeiro desde 2009, diz IBGE
Secretário diz que reorganização será feita em escolas que solicitarem
Brasileiro recebe 1,75 milhão de euros para desenvolver pesquisa na Europa
Antibiótico de uso corrente eleva risco de asma e obesidade infantil
Caso de aborto confirma que zika consegue atravessar a placenta
Chuva forte abre cratera e interdita trecho da Rodovia Washington Luís
Salário mínimo em 2016: veja o que muda com o novo valor
Gasto de brasileiro no exterior cai 43,4% em novembro.
Anvisa libera início da última fase de testes da vacina contra dengue
Inflação do aluguel acumula alta de mais de 10% em 1 ano, diz FGV
Congresso derruba dois vetos presidenciais e mantém outros 12
França lança bombardeio maciço a reduto do Estado Islâmico na Síria
David Cameron irá ligar para Vladimir Putin para falar sobre suspeita. Queda do avião deixou 224 mortos no Sinai no sábado
David Cameron irá ligar para Vladimir Putin para falar sobre suspeita. Queda do avião deixou 224 mortos no Sinai no sábado
Desemprego fica em 8,7% nos três meses até agosto
Dívida pública sobe 1,8% em setembro, para R$ 2,73 trilhões
Meu governo não está envolvido em escândalo de corrupção, diz Dilma
Governo publica novas regras para economizar com passagem aérea
Suíça bloqueia US$ 2,4 milhões das contas de Cunha
Indústria tem queda de 9% sobre agosto de 2014, a maior desde 2003
Se aprovada, PEC da CPMF só valerá em julho de 2016, diz Eduardo Cunha
Juro do cartão de crédito passa de 400% ao ano; do cheque vai 253%
2 anos de Mais Médicos: ministro diz que Brasil trará estrangeiros até 2026
Em reunião com ministros, Dilma acerta cortes de R$ 20 bilhões
Levy diz que governo vai cortar gastos mais que em outros casos
1ª parcela do 13º de aposentado do INSS será paga na folha de setembro
Agenda econômica domina pauta desta semana no Congresso
Nº de cidades do Brasil que oferecem Wi-Fi chega a 26%, diz IBGE
Ministro do TSE pede investigação das contas de campanha de Dilma
Juiz Sérgio Moro diz ao STF que delator omitiu nome de Cunha
Aneel propõe reduzir em 18% bandeira vermelha da conta de luz
Banco do Brasil abre concurso para 860 vagas de escriturário
Bradesco compra operações do HSBC no Brasil por R$ 17,6 bilhões
Vacina de dengue em teste é mais eficaz a partir de 9 anos de idade
Situação no Brasil é como filme de terror sem fim, diz Financial Times
Cunha pede que processo sobre a Petrobras em que é citado vá ao STF
Medida provisória amplia limite do crédito consignado
Programa de proteção a empregos é para todos os setores, diz ministro
Ministro das Finanças da Grécia anuncia renúncia do cargo
Câmara aprova em 1º turno nova proposta para reduzir maioridade
Bolsas caem por temor sobre a crise da Grécia
Desemprego sobe e tem maior taxa para maio desde 2010, diz IBGE
Número de mortos em onda de calor no Paquistão sobe para 700
Venezuela nega ter dificultado visita de senadores brasileiros a Caracas
Brasil tinha 23,1 mil jovens privados de liberdade em 2013, diz Ipea
Papa autoriza julgamento de bispos por acobertar padres pedófilos
Gilmar Mendes vai votar ainda em junho o financiamento de campanhas
Sisu de meio de ano terá 55,6 mil vagas em instituições públicas
Câmara aprova restrição para acesso a recursos do fundo partidário
Levy diz que governo cortou na carne, mas com cautela e equilíbrio
Câmara aprova texto-base de MP que eleva impostos sobre importação
Em semana de corte no Orçamento, Dilma se reúne com conselho político
Novo cálculo da aposentadoria deve ampliar rombo no INSS
Com adesão à fibra ótica, Vinhedo vira referência em velocidade de web
Produção de veículos no Brasil recua 21,7% em abril, diz Anfavea
Letalidade da PM em SP é a maior nos últimos 12 anos no 1º trimestre
Investigação aponta quebra de pá em helicóptero que matou cinco em SP
Pela primeira vez, Dilma não vai se pronunciar na TV no Dia do Trabalho
Com redução da maioridade, sistema pode ter 32 mil presos a mais em 1 ano
A dez dias para o fim das inscrições, estudantes temem ficar sem o Fies
1º lote de restituição do Imposto de Renda 2015 será pago em 15 de junho
87% são a favor da redução da maioridade penal, diz Datafolha